DEPEN

1 - Notícias

01/03/2021

Agentes penitenciários participam do curso de primeira intervenção em crise ministrado pelo BOPE

Agentes penitenciários do Departamento Penitenciário do Paraná participaram na última semana do curso de primeira intervenção em crise, ministrado pelo Batalhão de Operações Especiais (BOPE). Ao todo, 16 servidores receberam a certificação que ocorreu nesta sexta-feira (26/02), no Quartel do Comando-Geral da Polícia Militar, em Curitiba.  

“Buscamos essa parceria com a Polícia Militar com o objetivo de preparar nossos agentes para atuar em situações que fazem parte do contexto prisional. Esse trabalho de reciclagem e formação contínua junto à outras forças de segurança é fundamental para o aprimoramento do nosso trabalho”, afirmou o diretor do Depen, Francisco Caricati. 

"Acreditamos na importância do repasse de conhecimento aos agentes, o aprimoramento das técnicas e das doutrinas em primeira intervenção em crise, pois facilita o serviço do Departamento Penitenciário e da Polícia Militar, pois são os que têm o primeiro contato em situações de rebelião”, disse o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Hudson Leôncio Teixeira.

FORMAÇÃO - Durante cinco dias, os agentes participaram de instruções teóricas e práticas, totalizando 40 horas de formação. Segundo o subcomandante do BOPE e coordenador do curso, major Sérgio Augusto Silva, o curso foi planejado para que o agente penitenciário treinasse em ambientes reais.

“Durante a capacitação trabalhamos a responsabilidade, os desdobramentos das ações tomadas por cada um ao longo da crise/rebelião e um dos objetivos é que os agentes se situem nesse contexto e que, desde o início, tomem atitudes que venham a melhorar a solução dessa situação”, explicou.

Ainda de acordo com o major Sérgio, as atividades exercitaram a coletividade e a parte intelectual dos agentes penitenciários. “A segurança pública é dever do Estado e responsabilidade de todos e quanto mais gente estiver trabalhando ombreados nessa mesma missão, tenho certeza que quem ganha com isso é a sociedade, pois conseguiremos resolver as crises de forma mais rápida e com uma solução aceitável”, complementou o major Sérgio.

Segundo o assessor de segurança do Depen, Alisson Andrade, nesse primeiro momento o curso foi ministrado apenas aos gestores de cada região. “Nesse primeiro curso priorizamos os coordenadores regionais e também os chefes de cadeia, a intenção é que eles repassem esse conhecimento para suas equipes. Em breve, pretendemos também ofertar novas turmas e capacitar mais servidores”, explicou Andrade.

“Essa integração é muito importante para que durante os eventos críticos possamos atuar de uma forma profissional, dentro da legalidade, cumprindo com o nosso objetivo que é preservar a segurança pública e a vida de todos os envolvidos”, disse um dos participantes do curso, o coordenador regional do Depen, em Maringá, Luciano Brito.

Para ele, a troca de experiências entre as instituições foi um dos diferenciais do curso. “Foi um momento de crescimento pessoal, institucional e focado na integração das forças”, finalizou Brito.

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.